CEPA - Comissão de Ética em Pesquisa Animal da Universidade Federal do Ceará

subglobal1 link | subglobal1 link | subglobal1 link | subglobal1 link | subglobal1 link | subglobal1 link | subglobal1 link
subglobal2 link | subglobal2 link | subglobal2 link | subglobal2 link | subglobal2 link | subglobal2 link | subglobal2 link
subglobal3 link | subglobal3 link | subglobal3 link | subglobal3 link | subglobal3 link | subglobal3 link | subglobal3 link
subglobal4 link | subglobal4 link | subglobal4 link | subglobal4 link | subglobal4 link | subglobal4 link | subglobal4 link
subglobal5 link | subglobal5 link | subglobal5 link | subglobal5 link | subglobal5 link | subglobal5 link | subglobal5 link
subglobal6 link | subglobal6 link | subglobal6 link | subglobal6 link | subglobal6 link | subglobal6 link | subglobal6 link
subglobal7 link | subglobal7 link | subglobal7 link | subglobal7 link | subglobal7 link | subglobal7 link | subglobal7 link
subglobal8 link | subglobal8 link | subglobal8 link | subglobal8 link | subglobal8 link | subglobal8 link | subglobal8 link

Comissão de Ética em Pesquisa Animal - CEPA

Pesquisas com animais na UFC

A Comissão de Ética em Pesquisa Animal, órgão normativo e educativo, vinculada ao Departamento de Fisiologia e Farmacologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará, tem como objetivo estabelecer normas para a utilização de animais experimentais em projetos de pesquisa com base nos princípios éticos de cuidados animais preconizados internacionalmente.

Regulamentação

O debate a respeito do uso de animais em experimentação está saindo da esfera científica e ética, tornando-se imperiosa a conceituação precisa do porquê e quando se deve fazer uso desse instrumento na pesquisa científica. No Rio de Janeiro, uma lei municipal, sancionada no último dia 23 de outubro (de 2007) pelo prefeito César Maia, estabelece multas e sanções para "maus tratos e crueldade" contra animais, colocando num mesmo patamar o uso doméstico de animais e sua utilização em pesquisas nos laboratórios e instituições de pesquisa. Entendemos que essa lei poderá trazer grandes prejuízos a trabalhos de inestimável valor social e para a saúde. A experimentação animal é fundamental nas pesquisas médicas e veterinárias. A vacina anti-rábica precisa de experimentação animal para proteger os cães. Vacinas que previnem doenças como o sarampo e a rubéola e medicamentos para pressão alta, doenças cardíacas, diabetes, câncer e para uma infinidade de outros males são desenvolvidas com o uso de animais...

O texto acima foi escrito pelos pesquisadores Marco Antônio Raupp, presidente da SBPC; Marcelo Morales, presidente da Sociedade Brasileira de Biofísica; e Helena Nader, membro da Academia Brasileira de Ciências (ABC) e vice-presidente da SBPC, e pode ser conferido na página da SBPC clicando aqui.

Comunidade científica pede aprovação de Projeto de Lei que regula uso de animais para experimentação científica Mensagem assinada por diversas entidades está sendo enviada aos Senadores e Deputados Leia a íntegra da mensagem: “Princípio da Razoabilidade Nos últimos dias, a imprensa brasileira tem sido dadivosa com notícias sobre a produtividade científica nacional. Pulamos da 20º posição, no ano de 2000, para o 15º lugar no ranking mundial, de acordo com os últimos dados do Instituto de Informação Científica. A produtividade científica brasileira ultrapassou a de países como a Suécia e a Suíça, sendo que o crescimento foi de 33% em relação a 2004. Houve melhora também na qualidade dos trabalhos, que passaram a ser mais citado...

Texto disponível no Jornal da Ciência.

Uma necessidade científica básica

PRECISAMOS respirar? Essa poderia ser a tradução da pergunta sugerida. O uso de animais é tão básico para a ciência como é respirar para qualquer um de nós. Para explicar de outra forma, a interrupção da experimentação animal representaria a morte de parte importante da ciência, do ser humano e do planeta. É claro que podemos voltar para a Idade da Pedra e tentar viver sem energia elétrica, sem os excessos do mundo moderno e em plena harmonia com a natureza. Para os que não percebem a falácia oculta nessa utopia, relembro apenas que nesse mundo idealizado não haveria tampouco os avanços médicos que permitem a milhões de pessoas existir. Ideal para quem, portanto? Digamos que não se trate de renegar toda a ciência e os avanços do mundo moderno, mas simplesmente de impedir o sofrimento dos animais de experimentação...

Texto escrito por Luiz Eugênio Mello, presidente da Federação das Sociedades de Biologia Experimental.

©2008 Comissão de Ética em Pesquisa Animal